domingo, 8 de maio de 2016

PARQUE BIOLÓGICO DE GAIA - visita de estudo

Parque Biológico não é um Jardim Zoológico mas sim um espaço onde os seres vivos vivem num ambiente semelhante ao ambiente natural - nas floresta, lagos, ribeiros, charcos, campos, etc.

Terás  a oportunidade de ver exemplares da fauna e flora selvagem que estudaste ao longo do ano e perceber como é o seu habitat.
Na área do Parque Biológico vivem raposas, ouriço-cacheiros, esquilos, cavalos, cabras, corçosjavalia, águias, grifos, corvos, garças, salamandras, tartarugas, ginetas, fuinhas  muitos outros animais, que têm condições de vida devido à presença de uma grande variedade de plantas como: carvalhos, castanheiros, azevinho,  medronheiro, maiores, salgueiros, freixos, plantas aromáticas, etc.
Muitas pessoas pensam que os animais selvagens são maus  e têm muito medo de estar perto deles. Mas, na verdade, eles também têm medo de nós e escondem-se quando sentem o cheiro ou barulho provocado pelas pessoas. Para tirares o melhor proveito desta visita de estudo deverás:
  • fazer o percurso do parque evitando fazer barulho;
  • estar atento/a de modo a ouvir o som dos animais da floresta e conseguir observar os que rapidamente se escondem;
  • observar o tronco e ramos altos das árvores, onde terás  a oportunidade de observar animais;
  • esperar pela tua vez em silêncio sempre que encontras um local de observação.
Depois da visita, deixa aqui, em comentários, a tua opinião.
Valeu a pena a visita de estudo? Gostaste? Explica porquê.

domingo, 1 de maio de 2016

CHARCOS: uma ambiente aquático essencial nos terrenos agrícolas.

Sabes que os charcos, ou charcas, são espaços ocupados por água parada, naturais ou construídos pelo Homem. São mais pequenos que um lago. Muitos animais, como as rãs, sapos, salamandras, libelinhas, alfaiates e aves,  dependem deste tipo de habitat para sobreviver. 
Um charco pode ser um ambiente com grande biodiversidade.
Os seres vivos que lá habitam são, no geral, insetívoros (alimentam-se de insetos), razão pela qual ajudam a combater pragas agrícolas e insetos causadores de doença no Homem e em animais.
Retirado aqui

Para saberes mais sobre a importância dos charcos para a proteção da BIODIVERSIDADE animal e vegetal, consulta o site CHARCOS COM VIDA.
Lá irá descobrir:



segunda-feira, 11 de abril de 2016

FORMAS DE COMBATER AS AMEAÇAS À BIODIVERSIDADE

Foram tantas as consequências de atitudes irresponsáveis em relação ao ambiente, que o ser humano já percebeu que não são só os animais que sofrem. O Homem também sofre, pois a diminuição de área de floresta, a poluição dos rios e mares, do ar e do solo, pioram a qualidade de vida e causam doenças difíceis de tratar.
Por isso mesmo os países assinaram acordos internacionais no sentido de redução da poluição do ar, da adoção de medidas que têm em vista impedir o aumento da temperatura no planeta Terra (reduzir  poluição por gases, melhorar o transporte público e reduzir o uso do automóvel particular, aumentar a área de floresta e zonas verdes nas cidades, etc.), o controlo de fronteiras de modo a impedir o comercio de espécies selvagens e o controlo da caça e pesca de modo a impedir a a captura de animais pequenos, etc.

Retirado aqui
CITES (Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Selvagens) - tem como objetivo assegurar que o comércio de animais e plantas não ponha em risco a sua sobrevivência no estado selvagem. Casos mais graves: elefantes, serpentes, tartarugas, corais, leopardos, tigres, etc.



CIMEIRA DO CLIMA (Conferência das Nações Unidas para as Alterações Climáticas) - realizou-se em Paris, em final de 2015. Um acordo entre .. países para diminuir a emissão de gases com efeito de estufa (Dióxido de carbono, ...), o aquecimento global e impedir que  temperatura na Terra aumente mais do que 2ºC até 2100.




AGRICULTURA AMBIENTALMENTE SEGURA (Medidas agroambientais) - é a produção agrícola que utiliza os recursos naturais (água, solo e ar) sem os poluir e que não deixa resíduos de químicos nos alimentos. Exº Agricultura Biológica e Produção Integrada. Produz alimentos saudáveis e protege a biodiversidade.

Em Portugal temos projetos de apoio à vida selvagem:

AMEAÇAS À BIODIVERSIDADE... da responsabilidade do Homem

Sabes que há uma grande diversidade de animais no planeta Terra. Animais com características diferentes conforme o ambiente onde vivem. 
Mas sabes, também, que o ser humano tem atitudes que colocam em risco os seres vivos e são verdadeiras ameaças à biodiversidade. Aqui tens alguns exemplos:
  • FRAGMENTAÇÃO DE HABITATS - construção de auto estradas que dividem o habitat de animais selvagens, impedindo que se movimentem entre o local onde procuram alimento e o local onde têm abrigo; o animal pode morrer por falta de alimento ou, então, fugir para outra zona onde encontre melhores condições de vida.
  • DESTRUIÇÃO DE HABITATS - os incêndios e as queimadas destroem vegetação que era abrigo de animais e lhes dava alimento; na construção de barragens os terrenos são inundados pela água da albufeira e os animais podem ficar com o seu habitat em perigo; cortar sebes e muros em volta dos campos retira o habitat a animais predadores (cobras, corujas, mochos, águias,..) que antes combatiam ratos e outras pragas das culturas.                                                      
  • AQUECIMENTO GLOBAL - os incêndios, os gases produzidos pelos automóveis e fábricas (dióxido de carbono, etc.) e, ainda, outras substâncias poluidoras, juntam-se numa camada em volta da Terra não deixando o calor espalhar-se pelo Universo. Por isso a temperatura da Terra tem aumentado (aumentou o efeito de estufa), colocando em risco os habitats dos seres vivos e a qualidade de vida do Homem. 
Retirado aqui

  • CAÇA E PESCA EXCESSIVA - apesar de ser proibido caçar e pescar durante o período de reprodução dos animais, e haja regras rígidas quanto à pesca, sabemos que há quem não cumpra e capture animais muito pequenos, não os deixando crescer para se reproduzirem.
  • POLUIÇÃO DO AR , DA ÁGUA e DO SOLO - a poluição por produtos químicos (petróleo, pesticidas, etc.) causa doenças nos animais, que enfraquecem e morrem; os plásticos abandonados na beira rio e nas praias, e as redes de pesca perdidas, causam a morte de animais  marinhos (golfinhos, tartarugas, peixes, aves, etc.).
                                                                                       Retirado aqui
  • COMÉRCIO INTERNACIONAL DE ANIMAIS OU PARTES DE ANIMAIS - os dentes de marfim, corais, a pele de cobra e lagarto, de leopardo, tigre e foca, são exemplos de peças comercializadas em alguns países e que estão na origem da morte de muitos animais selvagens.
Retirado aqui
  • ESPÉCIES INVASORAS - são animais trazidos de habitats com características diferentes dos existentes em Portugal, que aqui encontram boas condições de vida ao ponto de se multiplicarem exageradamente e destruírem o ambiente de vida de animais autóctones (os características da região;. Exº Lagostim-vermelho-da Louisiana, Vespa asiática (Vespa Velutina), amêijoa asiática, etc. A vespa velutina mata as abelhas, o lagostim-vermelho ocupa os espaço e come o alimento do lagostim autóctone, etc.
Retirado aqui
                        

Retirado aqui
Quando o habitat de um animal é destruído ele pode morrer por falta de alimento ou, então, fugir para outra zona onde encontre melhores condições de vida.
Mas, conforme verificaste, há formas de combater estas más atitudes. 

quarta-feira, 30 de março de 2016

PROTEGER A BIODIVERSIDADE MARINHA: Campanha "O Peixe Certo"

Os portugueses são, em termos de população mundial, dos povos que mais peixe comem. Em média 57 kg por pessoa/ano. Só na Islândia e no Japão se come mais pescado do que em Portugal.
Se observares o mapa de Portugal e comparares a nossa posição em relação ao mar com a de outros países (verifica aqui), facilmente percebes que Portugal é um país de litoral, voltado para o mar.
Quando vais à praia, no Verão, tomas banho na água salgada do oceano Atlântico. Lá têm habitat peixes (sardinha, pescada, raia, peixe-espada, robalo, ...), moluscos (polvo, lula, pota, ...),  crustáceos (camarão, lagosta, caranguejo, ...), etc. Daí que nos seja fácil obter peixe, polvos, mexilhão, marisco, etc.
Por que motivo foi definido um tamanho mínimo para cada ser vivo que tem habitat no mar?
O oceano é o habitat de inúmeras espécies de seres vivos. Todos os seres vivos nascem, crescem e morrem, mas demoram tempo a atingir a idade adulta. Os peixes nascem de ovos, crescem juntos com os irmãos da mesma “ninhada”, formando cardumes, passam pela fase de juvenil e só na fase adulta se reproduzem, dando origem a filhos. Idêntica situação se passa com os polvos, lulas, mexilhão, caranguejo, camarão, etc.
Facilmente se percebe que se os seres vivos do mar forem pescados antes da idade adulta, não têm oportunidade de se reproduzir. Se não se reproduzem, reduz o alimento disponível no oceano (cadeia alimentar marinha) e reduz a  biodiversidade marinha.

Observa  a régua e descobre o tamanho mínimo permitido para  a pesca de cada ser vivo que tem habitat no mar.                                             Aumentar
Retirado aqui
É na lota ou no mercado que compramos o pescado. Devemos estar atentos para não comprar pescado  que não teve oportunidade de se reproduzir.

Sabes como medir os seres vivos do mar? Consulta a informação aqui
O peixe que vemos nas peixarias é todo pescado no mar?
Não. Há peixe criado em viveiro (aquacultura), tal como as galinhas são criadas em aviário e os coelhos em coelheiras. Crescem em espaços delimitados por redes e são alimentados à base de ração. Quando estão expostos nas bancadas da peixaria ou do supermercado são todos do mesmo tamanho. Em Portugal vende-se peixe de aquacultura criado cá, em viveiros, mas também se vende peixe que vem de outros países.
O peixe de aquacultura é mais barato do que o peixe pescado no oceano.
Para saber mais:
  • Biodiversidade
  • Campanha
  • Conhecer melhor a sardinha
  • No oceano também vivem mamíferos aquáticos (golfinho, baleias, ...) e répteis (tartarugas marinhas,...), seres vivos que são colocados em risco devido ás redes abandonas pelos pescadores no alto mar.

domingo, 31 de janeiro de 2016

FAUNA SELVAGEM - o que sabes sobre os animais que vivem em Portugal?

Quando se pede exemplos de animais selvagens é habitual as pessoas indicarem leões, chitas, hienas, macacos, elefantes, girafas, crocodilos. São, como sabes, animais que não existem em ambiente natural, em Portugal. Viste-os, com certeza em Jardins Zoológicos.
Mas por cá temos uma grande variedade de animais selvagens, muito interessantes, que vais conhecer. Alguns são característicos da nossa floresta, mas deixaram de existir por cá.
Movimentam-se em busca de alimento enquanto nós dormimos. Vivem na floresta, nas dunas, nos campos, no rio e zona ribeirinha e nas lagoas. Mas também há fauna selvagem nas cidades.

Deixo-te aqui alguns exemplos para pesquisares. Escolhe um para o teu trabalho.




Caracol, lesma, 

Joaninha, abelha, vespa, borboleta noturna, borboleta diurna, pulga-da-areia, mosquito, gafanhoto, 

Minhoca, bicho-da-conta, milípede, 


domingo, 17 de janeiro de 2016

LOCOMOÇÃO: o movimento dos animais ... da fauna ibérica

Não temos oportunidade de ver muitos animais selvagens no seu ambiente natural pois, grande parte deles, dorme quando nos movimentamos e movimenta-se enquanto nós dormimos.
Temos o ritmo diário trocado.
Desde os mais lentos aos mais rápidos, há uma grande diversidade (variedade) na locomoção dos animais selvagens.
Há animais muitos lentos, pois deslocam-se rastejando. A este movimento chama-se reptação.
O caracol, a minhoca, a cobra e o lagarto movimentam-se por reptação.

Outros, deslocam-se como nós. Marcha é a designação dada ao movimento do Homem, urso, etc.

O salto é o movimento do canguru, pulga, .
A corrida, o movimento do cavalo, coelho, geneta, lince, etc.

O voo é o movimento das aves e do morcego (um mamífero).